quinta-feira, 20 de novembro de 2008

"Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?
Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.
Assim, como sou, tenham paciência!
Vão para o diabo sem mim,
Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!
Para que havemos de ir juntos?"


(Fernando Pessoa como Álvaro de Campos)



terça-feira, 11 de novembro de 2008

o rio de janeiro continua...

Não gosto de ficar falando sobre coisas que já estão batidas ou repetidas, mas desta vez não tem jeito. As fotos que coloco abaixo foram tiradas do meu celular e não vai ter pergunta sobre onde são. São da Linha Vermelha. Observe como o trânsito anda bem:










Não foi carro quebrado ou acidente. Menos mal? Mais adiante, além do carro prata acima, o primeiro da fila, estava acontecendo um tiroteio entre traficantes e policiais. E, mesmo morando na grande área urbana do Rio, esse foi apenas o meu segundo. Sim, porque só conto os que eu passei no meio. E esse foi um deles. Bem no meio. Os outros, ouvidos, comentados, vistos na TV nem fazem mais conta...

Não sei você, mas eu acho que não tem mais jeito. É. Não tem mais jeito. E quer saber? Acho que os grandões já se deram conta, mas não fazem alarde para não criar o que os filmes americanos chamam de pânico em massa. E aqueles que podem fogem para algum lugar que ainda é pouco afetado (mas, um dia, chega lá...) para tentar correr. Quem não pode, se sacode. E vai vivendo... levando a vida aqui, desviando de tiro ali... tudo na boa, porque a cidade é linda e maravilhosa. Mas também se esquecem que é corrupta, degradada, agonizante, decadente...

O que vale no fim das contas é o: "mas que isso, meu chapa? Vai um chopp para esquecer?" De chopp em chopp, vai se afogando uma cidade.